segunda-feira, 2 de novembro de 2015

Frases e Pensamentos de Immanuel Kant

Neste contexto, toda via, o amor não é para ser entendido como sentimento (sensação), isto é, como prazer na perfeição de outros seres humanos; o amor não é para ser entendido como regozijo neles (uma vez que os outros não podem submeter alguém à obrigação de ter sentimentos). Tem, ao contrário, que ser concebido como a máxima da benevolência (como prático), que resulta em beneficência. O mesmo é válido quanto ao respeito ser mostrado pelos outros. [...] de acordo com a lei ética da perfeição "amor ao teu próximo como a ti mesmo”, a máxima de benevolência (amor prático aos seres humanos) constitui um dever de todos os seres humanos no seu relacionamento mútuo, quer os achemos ou não dignos de amor. (KANT, 2010, p. 198).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

cutus